Seja bem vindo!!!
-Entre,
-Tire os sapatos,
-Sente-se e fique à vontade.
-vou pôr uma música.
-Aceita um café?
- Gosta de livros?
- escolha um e vá folheando,
-volto já, com o café.
Alexandre Pedro
e-mail: alexandre.eells@gmail.com

Pesquisar no Cárcere do Ser

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

É duro ser cabra na Etiópia - Autor: Silvana Rocha

É duro ser cabra na Etiópia - Silvana Rocha


Em meio ao nada

Pele seca, desidratada

Castigada

Cicatrizes pelo corpo

Dor, desilusão

Estômago vazio

Na boca só sinto o amargor...

Amargura dessa vida dura!

Sinto o tilintar das costelas

Ambulante carcaça velha!

Articulações rangendo

Sons que me acompanham

Nessa longa aventura.

Com esperança

Ainda caminho, mesmo que lentamente,

Sentindo o desconforto da terra árida.

Secura!

Pobreza pura...

O sol em brasa queima minha face...

Me deixa anestesiada...

Em estado de torpor.

Vejo minha sombra distorcida na terra seca

Pareço-me com o quê?

Não consigo raciocinar direito

Sinto um vazio no peito

Acidez!

Queimação sem fim

E parece que não tem jeito...

O jeito é caminhar...

E quem sabe nada encontrar.

Creio que há esperança

Um oásis talvez

Logo ali ou bem distante dali

Perdi a noção de espaço

De profundidade

Não enxergo direito

Mas o sol continua a arder na minha face.

O oásis? Claro, era miragem!

Continuo a jornada árdua

Tropeçando em pedras, pedregulhos, seixos

Galhos secos ferem meus pés calejados.

Um pássaro bem ali, no chão, morto...

Esturricado pela ação da natureza.

Frieza...

Continuo meu tormento indiferente.

Mas minha esperança de encher meu estômago

Queima tal qual o sol

Não desisto...

Já andei algumas milhas

Quero molhar minha boca

Cadê meu pingo d’água?

Água! Maravilha!

Uma zonzeira agora me abateu,

Tontura, vertigem,

Um mal súbito qualquer que me derrubará

Talvez a alguns metros daqui.

Acolá! Não sei...

Não sinto mais o sol.

Cabeça zonza, zumbido, zoeira

Moscas varejeiras ao redor.

Minha pele cada vez mais seca.

Diante de meus olhos cansados que já não enxergam direito

Devido à rude caminhada

Vejo com dificuldade mais uma carcaça de animal diante de mim.

Não...desta vez é uma criança.

Não me lembro mais de nada....


Silvana Rocha

Este texto foi elaborado para participar em uma seleção de autores diversos para o livro "É duro ser cabra na Etiópia" que será lançado por Maitê Proença, e, gentilmente cedido pela autora ( minha professora de Língua Inglesa do curso de Letras ) - Silvana Rocha

* Este texto tem seus direitos autorais; não podendo ser utilizado sem permissão do autor.

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Mas quem diabos consegue fazer uma poesia como essa?!?! Viagem total!! Hauhauhauhauh!!!!!!!!!

    ResponderExcluir